Arquiteto Wang Shu ganha Prêmio Pritzker

Arquiteto Wang Shu recebe o Prêmio Pritzker, o “Oscar” da arquitetura

Wang Shu

Wang Shu: arquiteto chinês e ganhador do Prêmio Pritzker 2012

Aconteceu no dia 28 de fevereiro a entrega do tradicional Prêmio Pritzker, o evento de arquitetura mais importante do mundo. O laureado dessa vez foi o chinês Wang Shu, de 48 anos.

Shu nasceu na cidade Ürümqi, capital da província de Xinjiang. Se formou em 1985 no Nanjing Institute of Technology e, três anos depois, conseguiu o título de Mestre. Em 2000, após mais oito anos de estudos intensos, tornou-se PhD em arquitetura pela School of Architecture of Tongji University, em Xangai.

Seus trabalhos mais destacados são a biblioteca do Colégio de Wenzheng, um conjunto de apartamentos batizados de Vertical Courtyard, uma casa de cerâmica e o Museu da História de Ningbo. Esse último foi o trabalho que lhe rendeu o Pritzker, oficialmente, ainda que o conjunto e estilo dos arquitetos sejam julgados como um todo.

Biblioteca do Colégio de Wenzheng

Biblioteca do Colégio de Wenzheng

O trabalho de Wang Shu possui fortes tendências regionais chinesas e o arquiteto gosta muito de trabalhar com artesãos e prefere métodos de construção menos industriais e automatizados. Um exemplo é o teto da China Academy of Arts, em Xiangshan, onde Shu usou dois milhões de cacos de cerâmica vindos de várias demolições.

Ao anunciar o prêmio, o comitê do Prêmio Pritzker louvou seu trabalho com as seguintes palavras: “A arquitetura do laureado de 2012, Wang Shu, abre novos horizontes quando, ao mesmo tempo, dialoga com o lugar e a memória. Seus projetos têm a habilidade única de evocar o passado sem precisar fazer referências diretas à história. A arquitetura de Shu é exemplar em seu forte senso de continuidade cultural e tradição revigorada”.

O arquiteto sabe como lidar com os desafios que sua escolha de métodos, quase artesanais, trazem, tirando vantagem de aspectos que muitos não saberiam como resolver ou lidar. “Usando materiais reciclados, ele é capaz de mandar algumas mensagens sobre o uso cuidadoso de nossos recursos e o respeito pela tradição e o contexto, assim como uma franca avaliação da tecnologia e da qualidade das construções de hoje, especialmente na China”, completaram os jurados.

Museu de História de Ningbo

Museu de História de Ningbo: a obra rendeu o Pritzker'

Sobre o Prêmio Pritzker

Prêmio Pritzker

Medalha entregue no Premio Pritzker

Criado em 1979 pelo arquiteto Jay Pritzker e sua esposa , Cindy, o Prêmio é patrocinado atualmente pela Fundação Hyatt e premia arquitetos vivos “cujos trabalhos demonstram uma combinação daquelas qualidades de talento, visão e comprometimento”, segundo Pritzker.

Millenium Bridge

Millenium Bridge, do arquiteto Norman Foster

O Prêmio ganhou muita expressão e hoje é considerado o Nobel de Arquitetura, o prêmio mais prestigiado da área. Muitos arquitetos de renome já foram laureados, entre eles Ieoh Ming Pei (aquele, da polêmica Pirâmide de Vidro do Museu do Louvre), o japonês Tadao Ando, o britânico Norman Foster (responsável pelo projeto da Millenium Bridge, em Londres) e o holandês Rem Koolhaas, assinante do projeto da Torre de televisão da chinesa CCTV. Não se lembra dele? Falamos desse projeto e de outra ganhadora do Pritzker, a iraquiana Zaha Hadid em nosso post sobre os cinco prédios de arquitetura polêmica de 2011.

E, claro, o nosso genial (e centenário) arquiteto não poderia ficar de fora da lista: em 1988, Oscar Niemeyer faturou o prêmio, com o projeto da Catedral de Brasília. Em 2006 foi de novo a vez do Brasil: Paulo Mendes da Rocha foi o laureado pelo seu projeto da Capela de São Pedro, em São Paulo.

Os finalistas ainda ganham 100 mil dólares. Uma beleza, não?

Torre da CCTV, de Rem Koolhaas

Torre da CCTV, de Rem Koolhaas

E ainda sobre Wang Shu: seu trabalho nos convida a refletir sobre os processos de urbanização não só da China, mas do mundo inteiro. Permite-nos pensar sobre a arquitetura tradicional e a futurista, através de grandes e atemporais obras. O que acham?